PUBLICIDADE

platin casino-Jovens se livram de internação e processo fazendo rap no RS

platin casino

Projeto extingue puniçãoplatin casinotroca de aula de hip hop e produção de música e clipe. Há bolsa para continuar estudando
12 abr 2024 - 10h17
(atualizado às 15h39)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Projeto Partiu Aula na Justiça, de Porto Alegre, teve taxa de não reincidência de 86% no primeiro ciclo, com 120 inscritos. No segundo, iniciado neste ano, nas três turmas, com 35 jovens formados, ninguém teve novos problemas com a lei. Iniciativa, inspirada no trabalho social do rapper Rafa Rafuagi, prova que é possível ressocializar jovens da periferia que entramplatin casinoconflito com a lei.
Jovens formandos na última turma do Partiu Aula na Justiça assistem clipes na cerimônia de formaturaplatin casinoPorto Alegre
Jovens formandos na última turma do Partiu Aula na Justiça assistem clipes na cerimônia de formaturaplatin casinoPorto Alegre
Foto: Leonardo Radde/DICOM-TJRS

platin casino de :Temos os melhores relatórios de previsão, você está convidado a participar

Quinze jovens apreendidos por tráfico e atos infracionais similares receberamplatin casino11 de abril o diploma de formação do projeto Partiu Aula na Justiça. Eles haviam sido detidos pela polícia, mas optaram pela alternativa que existe há dois anosplatin casinoPorto Alegre: frequentar aulas de cultura hip hop, escrever um rap, gravar a música e o clipe, e se livrar do processo e de eventual medida socioeducativa de internação.

Nem chegaram a ficar internados provisoriamente. Ao aceitarem participar do Partiu Aula na Justiça, voltar para casa, com o compromisso de comparecer às aulas. Receberam transporte e alimentação para frequentar o curso durante cinco semanas, toda quinta-feira, no Centro Integrado de Atendimento da Criança e do Adolescente (CIACA).

O projeto alcançou 86% de não-reincidência nas doze primeiras turmas. “O índice de envolvidosplatin casinoato infracional de tráfico de drogas reduziu drasticamente”, comemora o defensor público Estevam Krieger Bento da Silva, envolvido no Partiu Aula na Justiça.

De 120 participantes no primeiro ciclo do projeto, 99 concluíram a formação, e somente 14 voltaram a ter registros de novas infrações. No segundo ciclo, iniciado neste ano, nas três turmas, com 35 jovens formados, ninguém teve novos problemas com a lei.

Um dos formandos do último ciclo, de 17 anos, quer agora “trabalhar, ficar rico e ir pelo caminho certo, nunca mais errar”. Ele canta funk, “mas gostei do rap também”.

Última turma formada pelo Partiu Aula na Justiça,platin casinoPorto Alegre (RS). Se continuarem estudando, terão bolsa
Última turma formada pelo Partiu Aula na Justiça,platin casinoPorto Alegre (RS). Se continuarem estudando, terão bolsa
Foto: Leonardo Radde/DICOM-TJRS

Jovem quer rimar e ser orgulho da família

Formado nas primeiras turmas, Jeferson Rodrigues Fontoura, 20 anos, passou pelo Partiu Aula na Justiça e seguiu carreira no funk. Agora ele é o Menor J MC, cantor e compositor, com músicas e clipes como Visão de Cria, lançado há dois meses, e Lágrima Rola, do ano passado.

“Já passei por várias fitas, mas graças ao projeto, hoje minha vida mudou. Esse passado foi uma das minhas piores escolhas”. Nascidoplatin casinoSanta Cruz do Sul, consideraplatin casinoinfância boa. Foi criado pela mãe e estudou até a nona série. Até os 15 anos, jogou futebolplatin casinovários times.

Colorado, “estourei um joelho no Inter”. Em seguida, rompeu o ligamento do outro joelho. Sem grana para fisioterapia, parou com o futebol. “Acabei me desviando desse caminho. Mas hoje tenho emprego, minha família e tudo certo”. Ele trampa das 13 às 22 horasplatin casinouma cooperativa de crédito. “Meu sonho é ser MC e dar orgulho pra minha família”.

O compositor e cantor Menor J MC encontrou o caminho da música no Partiu Aula na Justiça. Hoje, só quer o corre certo
O compositor e cantor Menor J MC encontrou o caminho da música no Partiu Aula na Justiça. Hoje, só quer o corre certo
Foto: Instagram

Partiu Aula na Justiça

O projeto é destinado a jovens de qualquer gênero, primários, detidos por tráfico de drogas e crimes afins, como porte de arma. Quem comete homicídio ou lesão corporal grave, não pode participar. “É um momento extremamente propício para uma abordagem diferenciada”, pontua Marlise Souza Fontoura, procuradora do Ministério Público do Trabalho, um dos criadores do projeto.

Quando um jovem é capturado pela polícia, imediatamente segue para o CIACA, que concentra três delegacias, representantes do poder Judiciário, do Ministério Público, entre outros envolvidos no destino de adolescentes detidos. Até exame de corpo de delito é realizado no local.

A opção de participar do Partiu Aula na Justiça é apresentada. Se o jovem aderir, ficaplatin casinoliberdade, e o processo, suspenso até a conclusão do curso. Para se formar, precisa, no mínimo, ter 75% de frequência. “Então o processo é extinto. É como se não tivesse existido”, resume o juiz Charles Maciel Bittencourt. Quem quiser seguir estudando, tem prioridadeplatin casinovagas no Senac, com bolsa que equivale à metade do salário-mínimo.

Marlise Souza Fontoura, procuradora do Ministério Público do Trabalho. “Outras alternativas são efetivamente possíveis”
Marlise Souza Fontoura, procuradora do Ministério Público do Trabalho. “Outras alternativas são efetivamente possíveis”
Foto: TRT4

Iniciativa começou com rapper

Quem começou as ações educativas que iriam se transformar no Partiu Aula na Justiça foi Rafael Diogo do Santos, o rapper Rafa Rafuagi, 35 anos, com longa caminhada e representatividade no rap nacional.

Rafuagi é ganhador de dois prêmios Hutus, extintoplatin casino2009. No ano anterior, havia começado projeto contra o crack. Em 2013, iniciou o corre educativo, para minimizar a violênciaplatin casinoescolas públicas. Percorreu mais de 50 cidades do Rio Grande do Sul e atingiu 30 mil jovens.

Diretamente envolvido na Construção Nacional da Cultura Hip Hop, que instituiu o Dia Nacional do Hop Hop e políticas públicas federais, participou da criação do Museu do Hip Hop de Porto Alegre. E atua na formulação de uma proposta nacional com base no Partiu Aula na Justiça.

Para Rafuagi, “o projeto está tendo êxito pela conexão com a cultura hip hop que os jovens têm. O projeto demonstra que é possível, que existe, sim, possibilidade de recuperação, inclusive fora do encarceramento”.

Rafuagi, rapper gaúcho, atuava há 15 anosplatin casinoprojetos sociais que inspiraram o Partiu Aula na Justiçaplatin casinoPorto Alegre
Rafuagi, rapper gaúcho, atuava há 15 anosplatin casinoprojetos sociais que inspiraram o Partiu Aula na Justiçaplatin casinoPorto Alegre
Foto: Instagram

Tráfico visto como exploração do trabalho infantil

Um dos entendimentos que embasam as decisões do Partiu Aula na Justiça é a resolução 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Segundo ela, o jovem traficante, antes de ser criminoso, é vítima de trabalho infantil. “Uma das piores formas, insalubre e periculoso”, lembra Rafuagi.

“O jovem, vítima de um contexto de exploração, ainda vai ser enclausurado? Seria demasiado. Fomos buscar a alternativa dentro do sistema, não apenas o aspecto pedagógico, mas também para fazer o jovem pensar sobre a vida e qual caminhada seguir”, diz o juiz Bittencourt.

Com orçamento de R$ 100 mil, o custo de cada atendido pelo projeto é de cerca de R$ 800,00. Segundo o juiz Bittencourt, para manter um jovem preso na Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase), o valor ultrapassa R$ 20 mil ao mês. São 25 vezes mais do que o Partiu Aula na Justiça.

Juiz Charles Maciel Bittencourtplatin casinoformatura realizada no Centro Integrado de Atendimento da Criança e do Adolescente (CIACA)platin casino11 de abril de 2024
Juiz Charles Maciel Bittencourtplatin casinoformatura realizada no Centro Integrado de Atendimento da Criança e do Adolescente (CIACA)platin casino11 de abril de 2024
Foto: Leonardo Radde/DICOM-TJRS

Segundo Pedro Jardel da Silva Coppeti, da Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Porto Alegre, o projeto é “uma iniciativa criativa que deve ser sempre saudada”. Sua atuação, que “destoa das consideradas rotineiras”, o deixa satisfeito. “É possível proporcionar uma visão de mundo diferente daquelaplatin casinoque estes jovens vivem, possibilitando o resgate deplatin casinoautoestima e deplatin casinodignidade”.

Fonte: Visão do Corre
Compartilhar

Fontes de referência

  1. roleta de verdade
  2. palmeiras globoesporte
  3. casas de apostas espanholas

Publicidade
Seu Terra












Publicidade